segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

'Em SOL Maior'


"Nosso sonho se perdeu no fio da vida e eu vou embora, sem mais feridas, sem despedidas...
Eu quero ver o mar.
Se voltar desejos, ou se eles foram mesmo... Lembre da nossa música.
Se lembrar dos tempos, dos nossos momentos... Lembre da nossa música.
Nossas juras de amor já desbotadas... Nossos beijos de outrora, foram guardados... Nosso mais belo plano, desperdiçado... Nossa graça e vontade derretem na chuva.
Se voltar desejos, ou se eles foram mesmo... Lembre da nossa música.
Se lembrar dos tempos, dos nossos momentos... Lembre da nossa música.
Um costume de nós, fica agarrado... As lembranças, os cheiros, dilacerados... Nossa bela história tá no passado... O amor que me tinhas era pouco e se acabou.
Se voltar desejos, ou se eles foram mesmo... Lembre da nossa música.
Se lembrar dos tempos, dos nossos momentos... Lembre da nossa música...
Música!
"

sábado, 11 de dezembro de 2010

Das Verdades...

É verdade que existe algo maior, e incompreendido por nós meros mortais, que nos leva por aí, em caminhos que se cruzam, se confundem, se fundem e se ‘despedem’.

É verdade que de certo ponto de vista, somos muito pequenos em relação à “infinitez” do universo. Poeirinhas flutuantes em brisas e furacões. Universo de nós. Difícil de entender...

É verdade que existe a distância... E é verdade que existe a saudade. Saudade das conversas, dos passeios, dos carinhos. (Que Saudade dos carinhos!).

É verdade que existem sentimentos e manifestações de alegria quando você está por perto.

É verdade que em muitos momentos, fiz da sua força o meu escudo. E é verdade que algumas vezes eu precisei aprender a ser forte prá te acolher e precisei deixar solitária a solidão prá ser somente sua a minha companhia.

É verdade que preciso ter mais tempo na minha agenda, prá sair por aí, respirar, viver...

É verdade que minhas mãos estarão sempre estendidas, e que os meus braços estarão sempre ensaiando os melhores abraços. É verdade que o meu sorriso estará sempre disposto à transformar em flor cada pedra desses caminhos.

É verdade que gosto muito de você, sem ao menos entender o porquê e sem ao menos precisar entender.

É verdade que sou grato às reticências...

É Verdade que, com um imenso prazer, me sinto eternamente responsável por aquilo que cativei.

“Teu olhar uma luz que clareia meu caminho tal qual, lua cheia (...) Descobri em você minha paz... Descobri, sem querer, a vida. Verdade!

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

'Além Do Que Se Vê"

Eu fico aqui pensando: Quem Sou? Quem Somos? Somos quem fomos e quem iremos ser. Num passeio Presente, embriagado entre os trilhos do Passado e do Futuro, somos tantos... Parte de Você sou Eu... E Eu sou um tanto de Você!

Mesmo às vezes assustadora, é tão bonita a liberdade. Liberdade de sentir, de ser, de falar, de calar... De não querer escutar... De Tentar... Viva A Liberdade De Tentar!

Caminho pela liberdade de estar em lugares, ou de poder (ainda que em pensamento) me transportar à um cantinho, no passado, de lembranças aconchegantes, vivas e eternas.

Vivo a liberdade de ter as coisas, ou de porventura não tê-las...

E às vezes me dói a liberdade que as coisas têm de, de repente, nem ser mais minha. Mas, fazer o quê, não é?! Nem a gente é da gente!

De tanto querer ganhar, esquecemos de aprender à perder. (alguém me ensina isso?)

Quem Sou? Quem Somos? Tudo é fruto da nossa escolha. Tomara que a gente não desista de ser quem se é por Nada nem Ninguém desse mundo.

"Onde a Vida é de Sonhar: Liberdade!"

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Palavras-Borboleta

"A boca do Beijo, do Silêncio ou do Insulto..."

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

...

"Meu mundo ficou mudo..."

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

'O Detalhe Que O Coração Atenta'


Uma esTrela solitáriA, perdida num breu De silêncio. Dentro, uma constelação de explosões que estampam o seu nome em fogo, cores e formas. Não sei até quando é possível calar o que se quer gritar. Não é fácil fingir uma indiferença, quando tudo aqui quer festejar a alegria de respirar teu ar.

Difícil disfarçar as baTidAs De um coração que mais pareciam uma escola de samba, num enredo de Felicidade.

Mas, vou... Entre o olhar e o evitar... Entre a Euforia das doces lembranças e a Dor da amarga realidade. Sigo... Ando apressado e sem olhar prá Trás, para que não sejA contemplaDo o frágil brilho da estrela, no cair de uma lágrima de Saudade.

“Todos os caminhos trilham pra a gente se ver. Todas as trilhas caminham pra gente se achar, viu?! Eu ligo no sentido de meia verdade... MeTADe inteira chora de felicidade...”

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

'A Medida Da Paixão'

“É como se a gente não soubesse prá que lado foi a vida...
Por que tanta solidão?
E não é a dor que me entristece. É não ter uma saída nem medida na paixão...


Foi!

O amor se foi perdido. Foi tão distraído que nem me avisou.

Foi!

O amor se foi calado. Tão desesperado que me machucou...


É como se a gente pressentisse...

Tudo que o amor não disse, diz agora essa aflição.

E ficou o cheiro pelo ar... Ficou o medo de ficar vazio demais meu coração..."

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Inverno Particular

A saudade sopra ventos gelados e o meu céu, em tons tristonhos de cinza-solidão, me encharca com essa chuva de lembranças. O coração, descompassado pela sua falta, parece trovejar. Os pensamentos ensaiam cores e explodem como fogos de artifício, mas a realidade da tua ausência faz o meu mundo desabar no breu. O vazio veste os meus olhos com pingos que, inevitavelmente, escorrem os sonhos, as brincadeiras, as juras... Mas, nem mesmo a tempestade é capaz de apagar você de mim.

Pego mais um cobertor, a tentar me proteger do frio.


“Sem mais, a vida vai passando no vazio. Estou com tudo a flutuar no rio esperando a resposta ao que chamo de amor.”

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Somos a Nossa Incompreensão...

Somos... Todas as nossas loucuras e toda a nossa lucidez. Todas as cicatrizes dos cortes que a vida nos fez.

Somos estações... A cor da primavera e a melancolia do outono. Somos quentes, Somos frios. Somos a esperança de cada amanhecer, Somos o escuro de toda noite.

Somos lembranças, Somos saudade. Somos essa distância, Somos a constante busca pela nossa felicidade. Somos as nossas músicas favoritas, Somos as nossas histórias. Somos as nossas perdas, Somos as nossas vitórias.

Somos a indiferença, Somos o carinho. Somos os insultos e os elogios por esse caminho. Somos muito de todos os que nos cercam, Somos a nossa solidão. Somos sonho e somos ilusão. Somos a nossa força e a nossa fraqueza... Nossa dúvida e nossa certeza... Sensatez e Contradição... Somos Reticências e Somos Interrogação.

Somos Simples Assim... Complicados Assim!

sábado, 16 de outubro de 2010

VOCÊ

O bom é saber que não se pode entender!

De onde vem tanta frieza? Me diz?

Prá quê os seus olhos me procuram, se na verdade eles querem me ver longe?

E Eu vou... Mergulho na distância que se aproxima, e me afogo no silêncio ensaiado bem no meio da folia desse (a)mar.

E Eu sigo... Tentando pescar exclamações que tragam respostas...

De onde vem essa minha necessidade de te decifrar? Silêncio!

Me olhe nos olhos... Entenda que os meus gritos não fazem o menor ruído.

Deve haver um porto. Eu vou... Eu sigo.


“É, pode ser que a maré não vire, pode ser do vento vir contra o cais... E se já não sinto teus sinais, pode ser da vida acostumar! Será? Sobre estar só, eu sei! Nos mares por onde andei, devagar, dedicou-se mais, o acaso, a se esconder... E agora o amanhã, cadê? Doce o mar, perdeu no meu cantar.”

domingo, 10 de outubro de 2010

O Bem e O Mal

"Alguém me chama, bem atrás na plateia: um aceno, uma voz sumida parece dizer meu nome. (É alguém de óculos, pois as lentes refletem a luz do teto).

Posso responder... Devo acenar de volta?

Atrás de mim alguém veste os bonecos da vida e as estátuas da morte.

Euforia e medo... É com eles que vou contracenar (ou é comigo mesmo?).

Por cima do nariz de palhaço, ajeito os meus óculos para ver melhor."

sábado, 9 de outubro de 2010

Miragem

Nesses dias tão estranhos, cheios de vazios desordenados e silêncios ensurdecedores, as idéias pareciam incapazes de fazer algum sentido. Sem ter o que dizer, caminhei sozinho por esse deserto de mim. E pude notar a minha sede. Sim, tenho sede demais. Por isso brindo cada onda desse mar revolto, cada gota dessa tempestade... Cada gole!

-À vida.

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

'Meus Pesadelos E Até Minhas Coisas Fúteis'

"...São pensamentos soltos, traduzidos em palavras, prá que você possa entender o que eu também não entendo!"

domingo, 26 de setembro de 2010

'Não, a vida nunca foi só a vida...'

Temos vivido equivocadamente (creio eu). Nos ensinaram a estar sempre à espera de algo. Nos aprisionaram num mundo suicida, em que matamo-nos nesse instante para viver amanhã, ou mês que vem, ou próximo ano. Acreditamos, sem ao menos duvidar, que existirá Vida após a vida. Será?

Subestimamos a nossa condição de selvagens. Saímos por aí devorando tudo o que há pelos caminhos. Não nos respeitamos... Não nos reconhecemos...

-Ser, ou não ser?

Descobrimos a dor!

Refugiamos a nossa liberdade e pureza em idéias utópicas enfeitadas por um nome bem bonitinho: Sonhos.

E num ato inexplicável de loucura, seqüestramos os nossos sonhos e lhes apontamos uma arma. Algumas vezes, com as mãos ainda trêmulas e inseguras, damos a sorte de contar com a nossa falta de coragem e não apertamos o gatilho... Deixamos para amanhã, ou mês que vem, ou próximo ano. Acreditamos, sem ao menos ter certeza, em acasos e milagres... Descobrimos a nossa incompreensão.

“Hoje o tempo voa, amor... Escorre pelas mãos mesmo sem se sentir que não há tempo que volte, amor... Vamos viver tudo o que há pra viver... Vamos nos permitir!”

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Eu Continuo...

Acordar despertar levantar... Escovar pentear perfumar... Bocejar... Sair...

Caminhar atravessar sorrir cumprimentar sorrir... Bocejar... Subir... Chegar... Descer...

Falar ‘professar’ ensinar aprender... Cumprimentar sorrir cumprimentar... Subir... Sair...

Correr... Acenar subir pagar sentar... Pensar... Lembrar... Pensar... Levantar puxar descer... Caminhar... Chegar...

Escutar aprender escutar escrever... Perguntar escutar... Aprender responder... Sair...

Caminhar... Lembrar... Pensar... Lembrar... Atravessar esperar... Acenar subir pagar sentar... Pensar... Lembrar... Pensar... Levantar puxar descer... Caminhar atravessar subir caminhar atravessar caminhar subir... Chegar...

Ligar selecionar escutar... Comer... Esperar... Desligar... Ler... Escrever... Escovar pentear perfumar... Sair...

Caminhar atravessar... Subir... Chegar... Descer... Cumprimentar...

Começar... Falar sorrir propor ensinar aprender... (Errar) Gritar (Acertar) Elogiar... Sorrir... Indicar... Suar... Continuar... Terminar... Acender...

Recomeçar... Falar propor... (Errar) Gritar (Acertar) Elogiar... Parar cobrar indicar... Continuar... Suar... (Errar) Gritar (Acertar) Gritar... Continuar... Conversar elogiar... Terminar... Apagar... Subir... Sair...

Caminhar... Subir... Chegar...

Entrar cumprimentar... Deitar levantar... Comer... Voltar... Acender... Ligar assistir... Ligar... Procurar... Digitar... Lembrar pensar lembrar... Selecionar escutar... Atender conversar desligar... Ligar conversar desligar... Atender conversar desligar... Pensar lembrar... Sorrir... Pensar escrever corrigir... Desligar... Assistir... Desligar... Ler... Escovar... Apagar... Bocejar... Deitar... Sonhar... CONTINUAR! “...Porque a chuva não cai só sobre mim!”

“Deixa-me perder a hora prá ter tempo de encontrar a rima... Ver o mundo de dentro prá fora e a beleza que aflora de baixo pra cima (...) Dá-me o direito de dizer coisas sem sentido... De não ter que ser perfeito, pretérito, sujeito, artigo definido... De me apaixonar todo dia e ser mais jovem que meu filho... De ir aprendendo com ele a magia de nunca perder o brilho. Virar os dados do destino... De me contradizer, de não ter meta... Me reinventar, ser meu próprio Deus... Viver menino, morrer poeta!”

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

'Eu Vou Seguir A Luz Dos Faróis'


Hoje, logo cedo, o meu telefone tocou. Inexplicavelmente a minha esperança quase tatuou o seu nome no meu ainda sonolento sorriso.
Mas, não... Não era a sua voz do outro lado.
Segui o meu dia... Realmente devo estar muito ocupado. Andando rápido demais, tenho esquecido de perceber os detalhes do caminho. Quanta gente... Quanta cor... Quantos (des)encontros... Minha agonia quase estampou o seu nome nos meus olhos.
Mas, não... Não era você vindo em minha direção.
Continuo os meus passos apressados, e certamente não será a minha voz quando o seu telefone tocar, nem serei o motivo que tornou perfeito o seu dia. Meus olhos ousam quase afogar o meu já cansado sorriso.
Mas, não... Você jamais saberá o quanto te transbordo todo dia.

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

"Seja como for, continuo gostando muito de você - da mesma forma - você está quase sempre perto de mim, quase sempre presente em memórias, lembranças, estórias que conto às vezes, Saudade!

Estou aqui... Continuo aqui não sei até quando... E quando e se você quiser, precisar, dê um toque. Te quero imensamente bem! Fico pensando se dizendo assim, quem sabe, de repente você até acredita. Acredite!”

domingo, 19 de setembro de 2010

Prá Sempre Por Enquanto

Estranho pensar por quantos caminhos eu já passei... E aqui estou! Quantas palavras eu já deixei? Quantos pensamentos diluídos? Tantos personagens de mim mesmo se perderam por esse labirinto infinito que sou.
Mil casos ou acasos me trazem e me levam de/a lugares iguais ou desconhecidos. Cambaleando pelo fio entre o paraíso e o inferno... Equilibrista, passeio por riscos e cautelas... Som e o silêncio... Memórias e recomeço... Perigosas são as pedras que sustentam esses muros. Ninguém sabe até quando elas aguentam. O quase já não me interessa. Escolho ser mais... Prefiro ser forte! Escolho as pontes... Prefiro os abraços! Posso não saber o que irei ouvir, mas posso determinar o que quero ver prá mim... Palavras são só palavras... Fantasmas são só fantasmas... É só acender a luz... E consigo vislumbrar o meu destino. E nesse caso, não sou só eu que ganho!
Se sou mesmo o meu próprio labirinto, posso querer ser também o meu próprio rumo.
Minha busca não pára...
E infinitos serão só infinitos...


"Mas sei que uma dor assim pungente não há de ser inutilmente... A esperança dança na corda bamba, de sombrinha, e em cada passo dessa linha pode se machucar... Azar! A esperança equilibrista sabe que o show de todo artista tem que continuar!"

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

'Junto As Mãos Ao Meu Redor'

“Nosso maior medo não é sermos inadequados. Nossos maiores medos são os de sermos poderosos além da conta. É nossa Luz, e não a nossa Obscuridade que mais nos apavora. Ser pequeno não serve ao mundo. Não há nada de sábio em se encolher prá que as outras pessoas não se sintam inseguras ao seu redor. Nós todos fomos feitos para brilhar, como as crianças... Não está apenas em alguns de nós... Está em todos. E na medida em que deixarmos nossa luz brilhar, nós inconscientemente damos às outras pessoas a permissão para fazer o mesmo. Na medida em que nos liberamos de nosso medo, nossa presença automaticamente libera os outros.”

sábado, 4 de setembro de 2010

Qual O Propósito, Hein?!

"Eu quis dizer... Você não quis escutar...
Agora não peça, não me faça promessas...
Eu não quero te ver! Nem quero acreditar que vai ser diferente... Que tudo mudou...
Você diz não saber o que houve de errado... E o meu erro foi crer que estar ao seu lado bastaria!
Ah, meu Deus, era tudo o que eu queria (...)
Mesmo querendo, eu não vou me enganar.
Eu conheço os seus passos... Eu vejo os seus erros... Não há nada de novo! Ainda somos iguais!
Então não me chame... Não olhe pra trás!"

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Tudo Outra Vez

"Começaria tudo outra vez se preciso fosse, meu amor... A chama em meu peito ainda queima. Saiba: nada foi em vão! A cuba libre dá coragem em minhas mãos... A dama de lilás me machucando o coração na sede de sentir seu corpo inteiro, coladinho ao meu.
E então eu cantaria a noite inteira... Como já cantei, eu cantarei as coisas todas que já tive, tenho e sei... Um dia terei! A fé no que virá e a alegria de poder olhar p'ra trás e ver que voltaria com você de novo, viver nesse imenso salão ao som desse bolero. Vida, vamos nós... E não estamos sós... Veja, meu bem... A orquestra nos espera... Por favor, mais uma vez, Recomeçar."

quinta-feira, 26 de agosto de 2010


CINCOOO... SEEEIS... SETEEE...


OOOITO... NOVEEE... DEEEZ...


terça-feira, 24 de agosto de 2010

Rei de Mim

Uma noite longa, prá uma vida curta...
Mas, já não me importa...
Basta poder te ajudar!
E são tantas marcas que já fazem parte do que eu sou AGORA...
Mas ainda sei me virar...”

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Fora de Lugar


Final de semana atípico. Prá começar, pude enfim acordar tarde em pleno Sábado-Feira. Ainda na cama, uma notícia aparentemente simples me acelerou de alguma maneira... E quando me vi, já tinha rejeitado pizza como refeição do meio dia e parti (sem me atrasar) para um jogo em que não conhecia quase metade das atletas. Restava-me alguns minutos de intervalo para o início do que seria a minha segunda partida vitoriosa do dia, e foram preenchidos com um bate-papo bem do tipo: Oi, eu vou bem! E vocês, como têm passado? Tomado posse da segunda vitória, ficou decidido, de forma nem um pouco democrática e organizada, que sairíamos para algum lugar (até então desconhecido) para conversar e matar a fome. Por ironia do destino, acabamos nos sentando numa mesa para quatro pessoas de uma pizzaria e não conversamos sobre nada que supostamente estaria em pauta. Chegando em casa, pude então notar que o meu cansaço alcançava níveis tais que, após apreciar o filme ‘Pequena Miss Sunshine’, peguei no sono deixando luz, computador e televisão ligados. Acordei apenas na manhã de Domingo, ao som de um forró antigo, e com a missão de buscar a terceira vitória do Final de Semana. A caminho do local do jogo, me vinha uma aflição esquisita. Ao chegar, pude notar que o time adversário não seria mais o planejado. E o mais estranho: Pude então compreender a aflição quando foi decretada a minha primeira derrota por WxO. Desculpei-me com todos e resolvi voltar para casa. Esperei alguns instantes na parada de ônibus já conhecida, até perceber que, por algum motivo ainda não descoberto, a rota do transporte coletivo sofreu alguma modificação e nenhum veículo transitava por aquela via. Então, caminhei até onde havia uma certa concentração de pessoas e avistei o transporte que me servia. No caminho, decidi que iria ver, pela segunda vez, o filme ‘A Origem’ a fim de tornar clara de forma absoluta cada parte ainda incompreendida (por mim) da película. Percebi também que, inexplicavelmente, o tão sonhado metrô de Salvador está “nos trilhos”, PARADO, e sem nenhuma foto de deputados (se é que precisa). Ao chegar em casa, fui contagiado por uma preguiça que me fez atrasar meia hora em relação ao combinado, o que me custou o acesso à outra sessão cinqüenta minutos mais tarde. Não me restaram dúvidas enquanto às cenas complicadas, e em relação à opinião de que se trata de mais um filme de muita qualidade. Pedi um copo do meu sorvete preferido (o único), e então fui em direção à parada de ônibus. Na “fronteira”, tive um encontro (ou desencontro) que me acelerou e quando me vi, já estava dentro do ônibus que, inacreditavelmente, também teve a sua rota modificada (nada que me causasse algo além de estranheza e princípio de aflição sanada no próximo retorno à esquerda). Um vendedor ambulante, após alguns trocados, se pôs a cantarolar em alto e bom som: "É preciso saber viver!" Cheguei em casa e logo vi que o Vitória ganhou o primeiro jogo fora do Barradão. Liguei o computador, falei sobre alguns assuntos com algumas pessoas, e vi a “propaganda política” do seríssimo candidato a deputado, o Sr. Tiririca. Antes de dormir, deixei o PC, liguei a TV e comecei à assistir o filme “Jean Charles”. Obra que me deixou, por alguns instantes, orgulhoso de fazer parte de uma nação que é o altar de Selton Melo e Luiz Miranda... E chão para todos os amigos e familiares de Jean. O terceiro filme bom do final de semana.
Já apaguei as luzes, já desliguei a televisão, já arrumei a minha cama... E que seja bem vinda a normalidade!

“Mesmo quando tudo pede um pouco mais de calma... Até quando o corpo pede um pouco mais de alma... A vida não para! Enquanto o tempo acelera e pede pressa, eu me recuso, faço hora, vou na valsa... A vida é tão rara! Enquanto todo mundo espera a cura do mal e a loucura finge que isso tudo é normal, eu finjo ter paciência... O mundo vai girando cada vez mais veloz. A gente espera do mundo e o mundo espera de nós... Um pouco mais de paciência...”

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Minha Estranha Loucura

"Minha estranha loucura é tentar te entender e não ser entendido!
É ficar com você procurando fazer parte da tua vida!
Minha estranha loucura é tentar desculpar o que não tem desculpa!
É fazer dos teus erros um motivo qualquer a razão da minha culpa.
Minha estranha loucura é correr pros teus braços quando acaba uma briga.
Te dar sempre razão e assumir o papel de culpado bandido...
Ver você me humilhar e eu num canto qualquer, dependente total do seu jeito de ser...
Minha estranha loucura é tentar descobrir que o melhor é você!
Eu acho que paguei o preço por te amar demais, enquanto pra você foi tanto fez ou tanto faz.
Foi me magoando pouco a pouco... Me perdendo sem saber...
E quando eu for embora, o que será que vai fazer?
Vai sentir falta de mim (sentir falta de mim)...
Vai tentar se esconder... O coração vai doer...
Sentir falta de mim!"

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Avisa Que É De Se Entregar...

Sabe do que eu tenho medo? Tenho medo de deixar de fazer as coisas por medo!
Não posso simplesmente querer me esconder... Não posso permitir que um pedaço da minha vida deixe de ser iluminado por sorrisos. Eu preciso!
Dias mais forte... Outros nem tanto... E eu continuo lutando. Até transpor a última barreira mais difícil... Aquela que ninguém acreditaria que fosse possível derrubar. E aquela outra que ainda virá... E as outras.
E se a Vida é o triunfo da imaginação sobre a inteligência... É assim que eu sigo: Sem entender nada... Mas, imaginando tudo!

'Doce Solidão'

"Posso estar só... Mas sou de todo mundo.
Por eu ser só um... Ah nem, ah não, ah nem dá.
Solidão, foge que eu te encontro...
Que eu já tenho asas...
(Isso lá é bom?!)
Doce solidão"

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Insônia

O que se faz com tudo aquilo que se passa dentro de nós? Deixa eu tentar ser mais claro: O que deve ser feito com todas essas coisas que a gente pensa, mas que em partes não deveria pensar? O que a gente deve fazer com todas essas palavras que já não cabem em um silêncio e insistem em querer dizer cada sentimento até então contidos? O que devemos fazer com essas noites que são invadidas por memórias, sejam elas boas ou ruins? Por projeções, sejam elas justas ou não? Por segredos, sejam eles próprios ou alheios? Por promessas, cumpridas ou esquecidas? Acho que devo mesmo estar muito cansado! Acho que preciso dormir...

terça-feira, 10 de agosto de 2010

'Vamos Viver Tudo Que Há Prá Viver'

Não sei. Deve ser ironia do destino... Quando me ponho a falar da minha suposta falta de sorte, esqueço de que devo ser mesmo muito sortudo por ter o seu ouvido atento. Quando te digo sobre as tantas vezes que me sinto sozinho, deixo escapar os segundos em que você está aqui comigo, bem perto, compartilhando esse suposto deserto e a sede que nos dá.
Estranho como as coisas são... Presença... Ausência... Eu... Você... Nós...
Quem é que controla a velocidade do tempo, hein? Me diz... Que é prá eu pedir pra ele passar bem devagar quando você estiver por perto. E quando apenas a saudade insistir em te transbordar pelos meus olhos, minha prece será para que o tempo voe, assim 'como eu quando penso em você'.
Esquece... Não precisa levar a sério... São só pensamentos. Pensamentos que passeiam por mundos existentes e imaginários. Mente a vagar... Entre verdades e fantasias. Idéias a Navegar... Em mares de Realidade e Sonho...
Sonho Bom, nem que seja só por uma noite.
Buenas!

"Hoje o tempo voa, amor... Escorre pelas mãos... Mesmo sem se sentir..."

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

'Questão de Opinião'

"Eles dizem que é impossível encontrar o Amor sem perder a Razão..."

sábado, 31 de julho de 2010

Sinceramente...

- Quer que eu te dê um motivo para não se apaixonar por mim?

- Porque não?!

- Eu não sou perfeito!

- E isso já me inspira bastante confiança!

“...Agora que você parece não ligar - Que já não pensa e já não quer pensar, dizendo que não sente nada - Estou lembrando menos de você. Falta pouco pra me convencer que sou a pessoa errada.”

sexta-feira, 30 de julho de 2010

'Seu Escudo Protetor'

"Grudei o nariz no vidro e agora enxergo você na rua. Daqui, pela janela do meu quarto, vejo seu sorriso farto, cada abraço apertado e aquele nosso beijo guardado sob a magia de um mundo que não existe (...) E eu chego bem devagar, sento ao seu lado pra te acarinhar, despejando em você o meu olhar carinhoso (...) Seguro você forte nos meus braços, a te proteger do cansaço e da batalha do dia que acaba lá fora. Fecho os olhos, imagino a desventura de não poder ser teu amado e fico acabado sem nem ao menos começar. E disfarço, viro palhaço e faço você rir das besteiras que penso, mas só com você consigo dizer. Não resisto e insisto, deixo o vento soprar a alegria agradável de estarmos aconchegados (...) Digo sobre minha vida aos seus ouvidos atentos e aproveito o alento da nossa amizade verdadeira. Até que o telefone toca e a realidade volta para o meu céu desabar em nuvens negras. Nas estrelas resguardo a minha paixão, fecho as portas do meu sonho, sufocando meu coração com a tristeza que aflora. Desgrudo o nariz do vidro, viro aquele grande amigo e vejo você ir embora."
(Texto de Taciano Mattos, refletindo meus devaneios e minhas desventuras)

quinta-feira, 29 de julho de 2010

'Como Faço Eu Do Teu Olhar'

...Desvão que faz pensar em nós
Resiste que eu chego já
Depois que fui te conhecer,
Jamais de mim voltei lembrar!
Luar que mais parece um Sol
Ninguém vai machucar você
vim para te fazer sentir...
Você, para me fazer viver!”

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Quantas Vezes A Gente Encontra A 'Pessoa Certa'?

Veio sem intenção... Quase sem atenção. Veio com tudo o que sempre carregou para todos os lugares em que, imediatamente, o vento ficou diferente. Soprou mais leve, mais bonito, num equilíbrio perfeito ou na alternância entre brisas e furacões. Veio com aquele sorriso e toda fragilidade que nele escondia... Com aquele silêncio e toda a força que nele continha. Veio com todas as cicatrizes, marcas... Tatuagens permanentes. Veio com todos os passos que deu... Com todas as lembranças e histórias que viveu. Veio com humor e tragédia. Veio, por completo, ciente da sua ‘incompletude’. Veio com todas as suas loucuras... Trouxe todas as desilusões. Veio, com a Cara e com a sua Coragem, conduzindo os medos por um caminho onde ‘certamente tudo terminará bem’. Veio com todas as suas ilusões.
Veio como um ‘espelho-mágico-espelho-meu’ refletindo cada desejo contido, cada pensamento nem sempre compreendido... E todos os sentimentos que não deveriam fazer o menor sentido.


“Vivemos tempos de loucos amores... Só é feliz quem sabe o que quer. Me encontra, ou deixa eu te encontrar!”

segunda-feira, 19 de julho de 2010

'Espera Que o Sol Já Vem'

Olho pela janela
Acho que o céu está triste
Porque está tão cinza?
Porque está chorando?

Em meio a raios e trovões,
O céu parece gritar
Desespero... Dor...?
Ou será sintomas de solidão?

Não vejo o brilho das estrelas
Não enxergo a alegria da lua
Apenas um cenário nublado

Se ao menos eu soubesse o motivo de tanta tristeza...
Se ao menos eu entendesse...

Ta tudo tão frio
Tudo tão escuro
De vez em quando vem um raio e clareia

Clareia... Clareia

O céu agora já não chora tanto
E o cinza começa a ceder
Não escuto mais gritos
Nem deu tempo de me despedir das nuvens

Tudo passa tão depressa!

A lua perece sorrir
Vejo estrelas... Uma... Duas...
Constelações!

Se ao menos eu soubesse o motivo de tanta alegria...
Se ao menos eu entendesse...

Olhando a vida pela janela
Nem sinto o tempo passar

Escuto o cantar dos pássaros
As arvores parecem dançar
Algumas folhas ainda estão molhadas...
Ainda não se esqueceram da chuva.

Eis que vem surgindo mais um dia...
De alegrias ou tristezas...
Ou alegrias e tristezas.

Ta tudo tão frio
Tudo tão azul
Lá vem surgindo os primeiros raios de Sol
Que clareia

Clareia... Clareia



“Amanheceu como num segundo... Amanheceu apesar de tudo... Amanheceu um raio no escuro... Amanheceu simples e absurdo (...) Era o fim da estrada, era o fim do mundo ali... Mas o Sol brilhava inacreditável em si. Não se imaginava... Foi o fim de tudo (eu vi)... Mas o sol teimava em raiar e resistir. E no mesmo dia
em que a "profecia do fim" se revelaria, eu te conheci assim.”

'Metade Inteira Chora de Felicidade'


Menina Linda... Doce Menina
Que um dia, assim, por acaso conheci.
Nem sabia eu que Tesouros existiam
E ao contrário do que acontece nas histórias e contos
Não foram necessários mapas, navios... Enfim

Doce Menina... Menina Linda
Que um dia, assim, por acaso começou a mudar minha vida
Nem sabia eu que Anjos habitavam a terra
E ao contrário do que eu pensava
Nunca estou sozinho

Menina Menina... Doce Linda
Que um dia, assim, por acaso me deu a mão
Nem sabia eu que o mundo era tão pequeno
Diante da imensidão daquele coração

Menina...
Que um dia,
Linda...
Não por acaso aprendi a amar
Guardo cada momento no meu pensamento
Sigo em frente, vivo a vida
E você, sempre a me guiar

Menina...
Que um dia,
Doce...
Não por acaso aprendi a aprender
Meu Tesouro, Minha Amiga, Meu Anjo...
Tenho certeza que de todo ser que hoje sou
Metade veio de você!


“De todo amor que eu tenho, metade foi tu que me deu... Salvando minh`alma da vida... Sorrindo e fazendo o meu eu.”

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Perto Demais



" (...)
- Me diz o que aconteceu?
- Nada Aconteceu!
- Olha a Sua Cara.
-E a Sua Cara? Nossa, Que Cara! (...) Eu vi esse rosto aqui, ó. Essa visão, quando você pisou na rua... Foi o momento da minha vida!
- Esse é o momento da sua vida!
- Você era Perfeita!
- Ainda Sou!
- No Caminho do Hospital, Eu dei um beijinho na sua testa.
- Seu Grosso!
- O taxista me viu te beijar... Aí ele perguntou: Ela é Sua? E eu disse: É, ela é minha! Ela é minha (...) Vocês conversaram e só isso?
- É!
- Você não confia em mim. Eu estou apaixonado por você. Você tá segura! Tinha todo o direito! Ooow, Eu só quero saber.
- Por quê?
- Porque eu quero saber tudo... Porque eu sou completamente Louco. Me diga...
- Nada Aconteceu... Você estava com outra pessoa...
- Tá justificando o quê?
- Não justifiquei nada. Só estou dizendo.
- Tá dizendo o quê?
- Não to dizendo nada!
- Eu só quero a verdade (...) Por favor, me conta a verdade.
-Por quê?
- Porque eu sou viciado nisso. Porque sem isso somos animais. Confie em mim (...)
- Eu não te amo mais.
- Desde quando?
- Agora. Desde Agora! Eu não quero mentir... E não posso dizer a verdade. Então, Acabou!
- Não tem problema... Eu te amo! Nada disso importa.
- Tarde demais. Eu não te amo mais. Adeus... E a verdade (só prá que você me odeie) é que eu fiquei com ele a noite toda. Eu gostei (...) Prefiro você! Agora Vai...
- Acontece que eu sabia. Ele me disse!
- Você sabia?
- Eu precisava ouvir de Você!
- Por quê?
- Porque ele podia ter mentido. Eu tinha que ouvir de você!
- Eu não ia contar porque você nunca me perdoaria.
- Perdoaria. Eu perdoei!
- Por que ele te contou? Como ele pode?
- Prá que isso acontecesse!
- Mas, porque me testar?
- Porque eu sou um tremendo idiota.
- É! Eu amaria você... Prá Sempre! Agora vá embora.
- Não faça isso... Fala comigo...
- Eu to falando... Vá Embora.
- Não... Desculpa... Você não entendeu... Eu não quis...
- Quis Sim!
- Eu te amo!
- Onde?
- O que?
- Me Mostra... Onde está o amor? Eu não vejo... Eu não toco... Eu não sinto... Só ouço! Eu ouço algumas palavras, mas não posso fazer nada com as suas palavras fáceis. O que você disser, é tarde demais!
- Por Favor, Não faça isso comigo!
- Está Feito! Agora vá embora...
- Por que ficou com ele?
- Eu quis!
- Por quê?
- Desejei ele!
- Por quê?
- Você não estava lá!
- Porque Caramba, Ele?
- Ele pediu com carinho.
- Tá mentindo...
- E daí?
- Fala... Quem é você?
- Eu não sou ninguém!
(...)"


"And so it's... Just like you said it would be. Life goes easy on me most of the time. And so it's... The shorter story... No love, no glory... No hero in her sky!"

terça-feira, 6 de julho de 2010

Rabiscos



Acho que tudo começa mesmo como essa folha de papel em branco. E lá vou eu... Rabiscando emoções e tudo aquilo que eu não disse, mas que os meus olhos insistem em não disfarçar (se as pessoas prestarem atenção). Talvez esteja aí toda a diferença. As pessoas estão tão líquidas quanto as relações que as cercam. E vos digo Senhoras e Senhores: É muito ruim se sentir invisível, quando se tem tanto pra contar, tanto a dividir, tanto pra viver.
Não consigo adquirir a habilidade de não enxergar o outro. Não consigo não me preocupar. E quando, por algum acaso, faço vista grossa, não consigo ficar em paz com a minha consciência. Falta-me algo. Ou, a depender do ponto de vista, me sobra algo.
Como é doloroso sentir-se acompanhado somente da solidão, enquanto existem várias pessoas ao seu redor. Sorrisos mentirosos, apertos de mão e abraços obrigados. Mentiras enfeitadas pelo tempo tão distante. Como são cruéis os desertos.
Eu tenho sede!
Sede de gente... Sede de Sentimentos...
E ando a procura de um poço de emoções verdadeiras.
Busco todas as coisas que projetei nas pessoas baseado naquilo que eu faria se estivesse no lugar delas.
Pareço Egoísta?
Não!
Sou apenas alguém que rejeita o raso. Apenas alguém que acredita na capacidade que todos têm de fazer a diferença.
Sou apenas um bobo... Que sonha alto, intenso e profundo.
Sou apenas uma antiga folha de papel em branco... Agora já rabiscado por cada um que por aqui passou.
Passou...
Mas, eu ainda acredito!

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Confesso



Tenho passeado por tantas questões, que me vejo sempre mudando de opinião.

Deve ser bom viver "metamorfosicamente".

Deve ser ruim.

Deve Ser...


"Quem sabe isso passa, sendo eu tão inconstante...?"


quarta-feira, 9 de junho de 2010

Cinco Graus... Muito Frio!



"Será que, à medida que você vai vivendo, andando, viajando, vai ficando cada vez mais estrangeiro? Deve haver um porto." (Caio Fernando Abreu)